Arquivo

10 coisas

Quem estreará a nova série do meu blog será o Felipeta, que você pode encontrar no twitter ou no blog.

Faz tempo que a Jujz me solicitou um top 10 sobre qualquer assunto para publicar aqui no bloguinho dela. Demorou, mas saiu.

Werner Herzog não diferencia ficção de documentário, inclusive diz que seu clássico megalomaníaco Fitzcarraldo é o maior documentário que já fez, além de explicitamente forjar cenas em seus documentários para torná-los mais verdadeiros. Os fatos não são suficientes para mostrar a realidade. Segue uma lista cronológica de 9 docs do Herzog. O décimo da lista é sobre o grande Werner.

1. Land des Schweigens und der Dunkelheit (1971) aka Land of Silence and Darkness

Filme comovente sobre cegos surdos-mudos. Você não está preparado.

2. Große Ekstase des Bildschnitzers Steiner, Die (1974) aka The Great Ecstasy of Woodcarver Steiner

A primeira aparição de Herzog como narrador de seus documentários. Um retrato apocalíptico de um suíço saltador de esqui perdidamente excelente no que faz.

3. Beobachtungen zu einer neuen Sprache (1976) (TV) aka How much Wood would a Woodchuck chuck… 

Herzog conhece o fascinante universo dos ultravelozes leiloeiros de gado. Hipnótico.

4. Gasherbrum – Der leuchtende Berg (1985) (TV) aka The Dark Glow of the Mountains

Herzog entrevista o montanhista Reinhold Messner, encontrando nele um igual. Mais uma jornada ao abismo que é o homem.

5. Lessons of Darkness (1992)

Cenas do Kuwait após a Guerra do Golfo. Fogo e devastação. Monolítico. Um país destruído como estava a Alemanha na infância de Herzog.

6. Mein liebster Feind – Klaus Kinski (1999)

A parceria de Herzog e Klaus Kinski, o louco. Belíssimo.

7. The White Diamond (2004)

Um engenheiro aeronáutico quer sobrevoar a selva da Guiana em um balão que ele mesmo projetou. Sequência sensacional de um bando de pássaros adentrando uma caverna atrás de uma cachoeira. E Marc Anthony Yhap, um nativo maravilhoso.

8. Grizzly Man (2005)

Um filme sobre um louco que morreu lutando contra o mundo, defendendo suas ideias absurdas. Herzog puro.

9. Encounters at the End of the World (2007)

Werner Herzog conhece o continente que faltava no seu currículo, a Antártida. Apenas isso. Mais um espetáculo.

10. Was ich bin, sind meine Filme (1979)

Uma entrevista com um Herzog bem atormentado e deprê. Essencial para entender sua obra originada no romantismo alemão e na solidão.

Inicio hoje no bloguinho uma série chamada ’10 coisas’. Esporadicamente, chamarei alguém para escrever uma lista de 10 coisas, quaisquer coisas que essa pessoa se identifique, goste, odeie.. Enfim, a única regra é que tem que ter 10 itens. Escolhi esse formato porque todos nós amamos listas por serem práticas, úteis e organizadas. E adoro essa ideia de ‘os melhores’, ‘os preferidos’, ‘top alguma-coisa’. Espero que vocês gostem e que os convidados se divirtam fazendo a compilação. Aliás, quem quiser participar, é só mandar uma mensagem na caixa de comentários.